O dia em que o capitão Bellini disse 'não' à Hollywood



Pouco depois de comandar a Seleção na Suécia e levantar a Jules Rimet, Bellini recebeu uma proposta inusitada de Harry Stone, vice-presidente na América Latina da Motion Pictures Association, entidade que reunia os maiores estúdios de cinema dos EUA: virar astro de Hollywood.


Antes de embarcar para a Copa, Bellini já ostentava a condição de galã, tanto que já brilhava em campanhas publicitárias, arrancando suspiros das fãs e aumentando o assédio de celebridades da época, como a cantora de rádio Dóris Monteiro e a vedete Angelita Martinez.


Por Nelson Rodrigues, foi chamado de “Javali do Vasco”. Era a personificação da raça, força e bravura, ídolo inconteste dos vascaínos, titularíssimo também por unanimidade da Seleção que iria buscar o seu primeiro título mundial e que precisava provar a si mesma que, desta vez, não iria tremer.


Com o título na Suécia, Bellini também passou a ser exaltado pela sua seriedade e capacidade de liderança, qualidades imediatamente anexadas à imagem de galã e de destemido. A ideia de Stone era transformar o zagueiro em um herói das telonas, talvez como um bravo cowboy ou um tarzan tupiniquim.


A proposta foi feita para que ele passasse uma semana em Hollywood e realizasse testes na Fox e participasse de algumas ações de marketing. A diretoria do Vasco não quis nem saber de liberar o seu capitão e bateu a porta na cara de Stone, embora soubesse que caberia a Bellini a decisão de ir ou não.


A promessa de faturar milhares de dólares e virar um astro hollywoodiano não mexeu um milímetro os pés de Bellini do chão. Com a mesma sobriedade e firmeza com que desarmava os mais temíveis atacantes, disse que o seu negócio era jogar futebol, não ser ator.


A Manchete Esportiva comemorou a decisão com uma matéria com o seguinte título “Galã da Copa e de Itapira, atira Holywood para córner”, em referência à cidade natal do jogador, onde a sua então noiva, Carolina, o aguardava. No texto, o ‘mocinho’ Bellini vencia a tentação do maldoso Mr. Stone.


Foto: Revista Manchete Esportiva - Julho/1958