Mês do Imortal Mario Filho, que completaria 101 anos em junho



Não foi proposital, para falar a verdade. Apenas uma coincidência. Uma agradabilíssima coincidência fez com que o Blog 12 Gomos desse o seu pontapé inicial no mês de nascimento do maior nome do jornalismo esportivo brasileiro do milênio – o anterior, o atual e o próximo. Se estivesse vivo - se é que é possível dizer que não, de alguma forma -, Mario Filho teria completado 101 anos no último dia 3. Ou o primeiro ano do seu segundo centenário.


Pernambucano de nascença, radicado no Rio desde os oito anos, Mario reiventou a forma de se fazer a cobertura esportiva, de se falar sobre esportes. Visionário, desde o finalzinho dos anos 1920 e início dos 1930, ele já enxergava que o futebol era mais do que um jogo. Pôs uma pá de cal na escrita burocrática, na forma de boletins, e relegou a coadjuvantes os cartolas, acostumados com o protagonismo.

Humanista, deu vida às histórias daqueles que faziam o esporte se transformar numa instituição nacional, não se importando com a cor ou origem social dos seus personagens.

Engajado, encampou dezenas de campanhas em defesa e/ou promoção do futebol. A do lugar para construção do estádio para a Copa de 1950, sem dúvida, a mais emblemática. Peitando um dos políticos mais influentes do país, Carlos Lacerda, que sonhava com um estádio na distante Jacarepaguá para, no máximo, 60 mil pessoas, ele conseguiu que o Maracanã fosse erguido mais próximo do torcedor e com capacidade para 150 mil espectadores. Poucas homenagens foram tão merecidas e justas quanto batizar o então ‘maior do mundo’ como Mario Filho.


Pioneiro, em 1931, criou o Mundo Esportivo, o primeiro jornal inteiramente esportivo do Rio de Janeiro, já como chefe do setor de esportes de O Globo. Cinco anos mais tarde, comprou o Jornal dos Sports, cuja redação se transformou na sua segunda casa durante 30 anos. Para ser mais preciso, até o dia 17 de setembro de 1966, quando faleceu.


Num momento em que jornalismo esportivo, no formato que nos acostumamos a chamar de tradicional, agoniza na lama circense do puro e simples entretenimento, sem limites éticos, falar de Mario Filho é uma forma de lavar a alma. É isso que o Blog 12 Gomos irá fazer, específica e intensamente, durante todo o mês de junho.


Através de alguns dos livros que deixou publicado, mostraremos o quanto vive este Imortal, que, segundo o seu irmão e devotado fã, o não menos gigante Nelson Rodrigues, ‘de tão grande, Mario Filho deveria ter sido enterrado no Maracanã’. Mais uma das grandes verdades de Nelson.